Veríssimo: um dos culpados

luis_saxÉ sábado e e estou aqui zapeando os canais da tv. Paro na TV Senado e me deparo com um homenzinho de cabelos brancos, o mesmo suéter de sempre. É ele, Luis Fernando Veríssimo um dos culpados que me fizeram optar pelo jornalismo. Coitado, não é jornalista ..Mas como não querer viver para escrever depois de ler aqueles textos geniais que li do Veríssimo quando fui alfabetizada? Aliás, a série Para Gostar de Ler, foi fundamental no começo da minha adolêscência. Eram livrinhos que reuniam crônicas ótimas do Veríssimo, Rubem Alves, Drummond e Paulo Mendes Campos.

Revendo o Veríssimo hoje lembrei saudosa dos textos que lia  e relia quando adolescente me perguntando como trabformar o cotidiano em algo tão genial. Deixo pra vocês um dos meus textos preferidos do Veríssimo de um humor delicioso.

Declaração de Amor

Tentei dizer quanto te amava, aquela vez, baixinho
mas havia um grande berreiro, um enorme burburinho
e, pensado bem, o berçário não era o melhor lugar.

Você de fraldas, uma graça, e eu pelado lado a lado,
cada um recém-chegado você em saber ouvir, eu sem saber falar.

Tentei de novo, lembro bem, na escola.

Um PS no bilhete pedindo cola interceptado pela
professora como um gavião.

Fui parar na sala da diretora e depois na rua
enquanto você, compreensivelmente, ficou na sua.

A vida é curta, longa é a paixão.
Numa festinha, ah, nossas festinhas, disse tudo:
“Eu te adoro, te venero, na tua frente fico mudo”
E você não disse nada. E você não disse nada.

Só mais tarde, de ressaca, atinei.
Cheio de amor e Cuba, me enganei e disse tudo para uma almofada.

Gravei, em vinte árvores, quarenta corações.
O teu nome, o meu, flechas e palpitações:

No mal-me-quer, bem-me-quer, dizimei jardins.

Resultado: sou persona pouco grata corrido a gritos de
“Mata! Mata!” por conservacionistas, ecólogos e afins.

Recorri, em desespero, ao gesto obsoleto:
“Se não me segurarem faço um soneto”
E não é que fiz, e até com boas rimas?
Você não leu, e nem sequer ficou sabendo.
Continuo inédito e por teu amor sofrendo
Mas fui premiado num concurso em Minas.

Comecei a escrever com pincel e piche num muro branco, o asseio que se lixe, todo o meu amor para a tua ciência.

Fui preso, aos socos, e fichado.

Dias e mais dias interrogado: era PC, PC do B ou alguma dissidência?

Te escrevi com lágrimas , sangue, suor e mel
(você devia ver o estado do papel)
uma carta longa, linda e passional.
De resposta nem uma carinha
nem um cartão, nem uma linha!
Vá se confiar no Correio Nacional.

Com uma serenata, sim, uma serenata como nos tempos da Cabocla Ingrata me declararia, respeitando a métrica.
Ardor, tenor, a calçada enluarada…
havia tudo sob a tua sacada
menos tomada pra guitarra elétrica.

Decidi, então, botar a maior banca no céu escrever com
fumaça branca: “Te amo, assinado..” e meu nome bem
legível. Já tinha avião, coragem, brevê, tudo para
impressionar você mas veio a crise, faltou o combustível.

Ontem você me emprestou seu ouvido e na discoteca, em
meio do alarido, despejei meu coração.
Falei da devoção ha anos entalada e você disse “Não
escuto banda”. Disse “eu não escuto nada”.
Curta é a vida, longa é a paixão.

Na velhice, num asilo, lado a lado em meio a um silêncio
abençoado direi o que sinto, meu bem.
O meu único medo é que então empinando a orelha com a mão você me responda só: “Hein?”

C.
Anúncios

1 Response to “Veríssimo: um dos culpados”


  1. 1 Isolda 12 fevereiro, 2009 às 7:35 pm

    Cibele, sou outra que aprendi a “defenestrar” com o Veríssimo. Genial. Também já vi a entrevista, incansavelmente reprisada.

    Abraço.
    Isolda.

    http://www.isolda.blogger.com.br


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




A observadora

Sou Cibele Tenório, jornalista (com diploma – para total escândalo de Gilmar Mendes), webaholic, mulher de fases. Seja bem vindo!

Eu lá no twitter

  • Soninha Guajajara, mulher foda é liderança indigena, conduzindo os protestos contra Temer em Oslo.Coisa linda de se ver. 1 day ago
  • Nada como acordar e ver as notícias de i que Temer passou ainda mais vergonha na Noruega levando chamada da primeira ministra. 1 day ago

Arquivos

RSS Observatório do Cotidiano


%d blogueiros gostam disto: