Peço desculpas por ainda ser gente

Eu queria ter comigo a capacidade de escolher as lembranças que me seguem, mas dentro de mim cada uma delas têm vida própria. Saem  desaforadas e batem a porta, voltam a hora que querem e bem entendem. Depois de vagarem todo o dia fora de casa, retornam tarde da noite como filhos recém chegados à adolescência. Não são bem vindas tantas vezes e de tantos jeitos, como o parente que veio pra ficar uns dias na nossa casa e que já dorme no sofá da sala há anos. Mas são os hóspedes que respeitaremos mesmo diante de tamanha inconveniência. São íntimos.

 

Perturbador é que a memória que estapeia a face e esmorece o coração não é a da hora sombria, mas a do momento doce, o instante perdido estampado de leveza, a sentença proferida entre tantas outras, justamente a palavra dita sem pretensão  que tomou proporção  gigantesca. Sentenças tóxicas, inebriantes, que trazem o cheiro e o tempo em si mesmas. Sutis e por isso cruéis. Hoje, mais distantes. Já se passaram um milhão de segundos e minutos. Mas quem poderá convencê-las a se mudarem para o quarto ou lado?

 

Eu queria poder abrigar no meu peito a mãe que chora pela ausência do filho ao ver seu sorriso no porta retrato, aplacar a saudade do que sofre com a distância, abraçar o filho que às 7h00 acorda depois de sonhar com o pai que já se foi, acalentar o  traído que recorda dos dias em que confiou em quem não era fidedigno, ser a companhia do solitário que à noite não tem com quem compartilhar a lembrança de seus melhores dias acompanhado. Eu queria poder dizer “sei como se sente e me importo” e que ao falar meus olhos fossem cheios de compaixão e causassem uma identificação tamanha que diante de mim todos pensassem: estou diante de um ser humano, e nesses tempos líquidos, isso realmente é surpreendente!

 

C.

Anúncios

4 Responses to “Peço desculpas por ainda ser gente”


  1. 1 mczbahiano 20 setembro, 2008 às 4:35 am

    o poeta sempre se
    revela na melancolia

  2. 2 Aline 21 setembro, 2008 às 1:56 am

    Nossa!
    que lindo!

  3. 3 Aline 21 setembro, 2008 às 2:01 am

    entretanto!
    doloroso!
    hoje aprendi que tudo vai ficar bem.
    talvez dores maiores cheguem amanhã
    e nos farao esquecer essas.
    Mas acima de tudo Há um Deus.
    que nos surpreende e nos ama!
    Ele si, fará com que tudo fique bem.
    dificil acreditar nessas palavas em tempo assim
    (Cm sei isso) mas mesmo que a noite esteja tão escura agora, eu sei que logo um amanhã lindo nascera.

    aaaaa amo vc amigão, mais uma vez revelado.
    bjoO

  4. 4 carloshleonel 24 setembro, 2008 às 11:24 am

    Amo ler a Ci!
    Acho q um dia vou dizer isso quando m perguntarem o que eu gosto de ler!
    E quando me perguntarem: por quê?
    Eu vou dizer…ela lê algoa dentro de mim de alguma forma e depois consegue colocar em palavras o que eu nem consegui notar de forma clara dentro de mim!

    Bom demais esse texto, Ci!

    Bjão!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




A observadora

Sou Cibele Tenório, jornalista (com diploma – para total escândalo de Gilmar Mendes), webaholic, mulher de fases. Seja bem vindo!

Eu lá no twitter

  • Aprendi com @MichelleObama que nosso lema de vida deve ser : quanto mais baixo jogam com a gente, mais alto nós jogamos ❤️ 2 days ago
  • RT @modices: tomara que em 2018 a gente veja menos gordofobia disfarçada de preocupação com ~saúde~ 2 days ago

Arquivos

RSS Observatório do Cotidiano


%d blogueiros gostam disto: